Publicidade:

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Viral


Um dos maiores destaques na GenCON desse ano, Viral é um jogo de controle de área onde cada jogador é um vírus com a tarefa de se espalhar pelo corpo de um pobre "gajo" e com isso ganhar pontos vitais.

Para isso os jogadores dispõe de cartas com as zonas do corpo, e ações disponíveis para cada uma das doze rodadas (dentro de seis turnos de jogo).

Os seis turnos do Viral tem várias fases, na primeira são onde os jogadores efetivamente usam as cartas para infectar o corpo, primeiro escolhem uma zona do corpo e uma carta de ação, e pela ordem dos jogadores vão colocando seus marcadores, depois repetem esse processo, sem poder usar as cartas previamente utilizadas, o que deixa essa fase bem apertada.

Inicialmente suas cartinhas de ação e marcadores de vírus.

Uma vez que a fase de cartas termina, os jogadores recebem pontos pela dominância das zonas, para isso devem ter no mínimo um marcador em cada um dos órgãos, ao ganhar os pontos aquele vírus sobe no marcador de pesquisa.

Esse marcador é uma das grandes sacações do jogo, ao atingir o topo, aquele vírus é eliminado do corpo do paciente, e ao menos que ele seja um vírus mais forte (você pode fazer isso) você vai precisar começar sua infecção toda de novo.

Ainda tem a fase com cartinhas de mutação (com o tema muito bem aplicado e uma arte bacana), fase de crise (quando um órgão está muito infectado também há eliminação de vírus) uma rearrumação da ordem do turno (que também serve para resolver os desempates) e o turno acaba.

Eu acho que esse paciente tá indo de mal a pior!

O jogo é muito focado no que você pode fazer com seu deck de cartas, você começa com 5 cartinhas e pode receber durante o jogo mais 4 que são melhores que as iniciais (e darão pontos no final também), aí é que o jogo dá uma pecada.

Essas cartinhas são super importantes, com elas você vai colocar marcadores no jogo, vai proteger seus vírus, atacar os adversários, mover com eles pelo corpo (seguindo a corrente sangüinea, muito legal), incorporando os vírus dos adversários (outra ação bacana) entre outras.

Para receber essas cartas melhores você precisa passar na trilha de pontos por determinadas casas, o lance é que o cara que está em primeiro vai sempre escolher primeiro (uma vez que ele já está na frente), isso me deu uma incomodada e acho que era uma coisa que dava pra resolver e talvez incomode os jogadores mais "cascudos".

Conforme o jogo evolui, novas cartas de ação chegam.

Depois dos seis turnos do Viral, o jogo termina e contamos uns pontinhos das cartas e da presença nas zonas e quem tiver mais pontos é o vírus mais forte.

Viral é um jogo bacana, funciona bem com jogadores mais casuais e tem um apelo visual bem legal (o jogo tem ilustrações muito boas) com um tema diferente e muito bem encaixado ao jogo e vale olhar com mais atenção pra ele.

Nenhum comentário: