Publicidade:

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Resenha : The Capitals


Ontem lá em casa finalmente consegui jogar o The Capitals que eu peguei ano passado com o pessoal da Board Game em Casa e ainda não tinha conseguido montar uma mesinha.

O jogo, apesar do autor brasileiro, só teve lançamento lá na Europa, com uma produção bem caprichada da Mercury Games, mas ele bem poderia ser lançado por aqui.

Tabuleiro central com todas as trilhas a serem acompanhadas.

No jogo as nossas cidades competem para serem as maiores e terem no final mais prestígio que as outras concorrentes.

O jogo se desenvolve em 12 rodadas, tendo 3 rodadas de pontuação. Em cada rodada os jogadores pagam pela posição à jogar, depois compram prédios, realizam ações e a uma nova rodada se inicia.

Os grandes baratos do The Capitals são as trilhas (Cultura, Progresso, Serviços Públicos, Empregos e População) que vão aumentando ou diminuindo conforme as construções e os "turistas" que são "carreeples" seus que podem ser usados por outros jogadores na hora da ativação dos prédios (baseado no nível de Cultura).

Os meus prédios sendo ativados pelos cubos e pelos "turistas".

Outra coisa bacana é a forma com que os prédios vão sendo arrumados na cidade, o que requer uma visualização do todo muito detalhada e podem formar "combinhos" bastante interessantes.

As mecânicas, apesar de serem bem detalhadas, são tranquilas de explicar e uma vez que você começa a jogar, a partida de The Capitals flui super bem e o jogo acaba sendo uma experiência bastante legal para quem curte um euro elaborado (mas que não te deixa com dor de cabeça).

Nenhum comentário: