Publicidade:

terça-feira, 30 de março de 2010

Entrevista : Michael Schacht (parte 2)

Taí a parte final da entrevista com o Michael Schacht, onde ele fala do Zooloretto e do seu mais novo (re)lançamento, o Industry. Divirtam-se.

EatJ?: Seu próximo lançamento, o Industry, é na verdade uma releitura do Industria. O que podemos esperar de mudanças nesse novo título.

EatJ?: Your next release – Industry, is actually a reimplementation of Industria. What changes can we expect on this new release?


A capa do próximo lançamento, o Industry. Foto BGG.

MS: O jogo tem, por exemplo, um layout novo do tabuleiro, os tiles de bônus estão integrados e as trilhas levam direto as fábricas conectadas. Isso torna o jogo mais orgânico. Não há mais texto no tabuleiro.

Com as cartas das fileiras distribuídas aleatoriamente, fica fixo o que será leiloado. Então os tiles de fábrica, desenvolvimento e outros não são mais necessários.

As valências são trocadas, por exemplo, as cartas coringa são mais valiosas, o que torna as ofertas do leilão mais compatíveis. O mecanismo de leilão em si mudou um pouco. Se o leiloeiro ficar com algo para si, ele tem que pagar e o dinheiro é distribuído para os demais jogadores. O nível do lance pode influenciar quanto dinheiro outro jogador recebe nesse caso. O sistema de bônus foi expandido. Agora você pode marcar mais pontos com eles, e pode inclusive jogar especialmente para eles. Com três jogadores você joga todas as eras.

No geral eu estou muito satisfeito com o resultado e ansioso pelo design gráfico final que esta sendo feito no presente momento.


Protótipo do Industry sendo jogado pelo autor em Portugal. Foto BGG.

MS: The game has a new board layout, f. e. the bonus tiles are integrated now and the tracks lead directly to the connected factories. That makes it more organic. There is no text anymore on the board. With randomly distributed row cards it is fixed what will be auctioned. So, the factory-, development- and other tiles are not needed anymore. The valencies are changed f. e. the "joker"-cards are more valuable, that make the auction offers more compareable. The auction mechanism itself is slightly changed. If the auctioneer takes something for himself he has to pay now and the money gets distributed to the following players. With the height of a bid it may be influenced how much money another player gets in that case. The bonus system is expanded. Now you can make more points with that, you can play especially on that. With three players you play the full number of eras. Overall i am very happy with the result and i’m looking forward on the completed graphical design that gets made at the moment.

EatJ?: Atualmente o que você tem jogado e quais os seus jogos preferidos no momento?

EatJ?: Do you like (and have the time) to play games? Which are your favorite games at this time?

MS: No meu grupo de teste, nos jogamos na maior parte jogos de outros – jogar somente protótipos seria muito chato. Então se eu participo, eu posso jogar jogos recentes, o que é muito útil para uma visão geral, e claro é divertido. Quando viajo para convenções, há também boas oportunidades para se jogar. Dos últimos jogos eu realmente gostei do Le Havre (para dois), Endeavour (para quatro), Stone Age, Tinners Trail, Roll through the Ages e Jamaica.


Hansa, um dos primeiros "euros" que eu conheci,
criação do Michael Schacht. Foto BGG.


MS: In my test groups we play mostly games of others - only prototypes would be too boring. So, if i join i can play some of the actual games which is helpful for the overview, and is of course fun. When travelling to conventions there is always a good chance to play. The latest games i really liked were Le Havre (for two), Endeavour (for four), Stone Age, Tinners Trail, Roll through the Ages and Jamaica.

EatJ?: O Zooloretto é um sucesso que rendeu várias mini-expansões especiais (como o Iberian Lynx), você pensa em lançar outros bichos, talvez focando em animais em perigo de extinção?

EatJ?: Zooloretto is a big hit that generated many special mini-expansions (like the Iberian Lynx), do you have thoughts about releasing other animals, maybe focusing in endangered species?

MS: Foi idéia do anfitrião da LeiriaCon, para o qual “o Lince” foi produzido para colaborar com essa espécie ameaçada. Espero que ajude um pouco. Na Alemanha nós ajudamos o zoológico da minha cidade natal. Talvez nos encontremos mais atividades como essa, se fizer sentido.
Algumas outras espécies não-ameaçadas já são parte da expansão Exotic e do novo Zooloretto Mini.

MS: It was the idea of the host of LeiriaCon, for which "the lynx" was produced, to collect with that for this endagered species. Hope it helps a little. In germany we supported he Zoo of my hometown. Perhaps we can find some more activities like this, if it makes sense. Some more non-endagered species are already part of the Exotic expansion and the new Zooloretto Mini.


Zooloretto, seu maior sucesso até agora. Foto BGG.

EatJ?: Ainda sobre o Zooloretto, ele é um jogo vencedor de vários prêmios importantes, incluindo o prestigiado Spiel des Jahres de 2007. Quão importante foi esse prêmio para você e como isso afetou seu trabalho como designer?

EatJ?: Still on Zooloretto, it is a multi award winner, including the prestigious “Spiel des Jahres” in 2007 – how important was it for you personally and how does it affected your work as a designer?

MS: Foi uma grande experiência para mim e para minha esposa, e que vai durar. Eu estou muito feliz em fazer parte dos designers que conseguiram isso. Às vezes isso pode ajudar a abrir algumas portas e é claro, tem a vantagem financeira de alguns anos assegurados nesse mercado difícil. Mas ainda mais atraente para mim é o fato de que eu posso criar coisas no universo do Zooloretto, posso seguir algumas idéias que normalmente não teria como.

MS: It was a great experience for me and my wife, and that will last long. I am very happy to be part of the designers that made it. Sometimes it can help to open up some doors and of course it has finacially the advantage for some assured years in this difficult business. But even more appealing for me is the aspect that i can create things in the Zooloretto world, can follow some of the ideas you usually can’t .

EatJ?: Qual a importância do trabalho gráfico nos seus jogos e você pensa muito nisso durante o processo de criação?

EatJ?: How important is the artwork of a game for you, and do you keep that in mind when designing a new game?

MS: O título e a arte são muito, muito importantes. Mas eu só tenho alguma influência neles. A empresa que publica decidirá no final, com maior experiência, o que é bom para ela. Eu tento manter o profissionalismo, a medida que o jogo não é para mim, e sim para os outros. Então, meus gostos pessoais não são importantes.


Expansão especial do Lince Ibérico. Foto BGG.

De qualquer forma eu tento escolher o melhor tema possível bem como penso como o artista gráfico quando desenvolvo e incluo as estruturas. O resultado será bem menos abstrato e resultará geralmente num manuseio mais intuitivo.

MS: The name and the artwork is very, very important. But i have just some influence on it. The publisher will decide finally and mostly knows better what is good for him. I try to keep it professional as the game will not be for myself, it is for the others. So, my personal favours are not important. Anyway i try to choose the best possible theme and also try to think as the graphician when i develop and include the structures. The result will be less abstract and result usually a better or more intuitive handling.

EatJ?: Obrigado pela entrevista e sucesso nas próximas empreitadas.

EatJ?:
Thank you very much for the interview and success on your upcoming projects!

MS: Obrigado pela sua música maravilhosa, eu amo Bossa Nova! E obrigado pelo seu interesse.

MS: Thank you for your wonderful music, I love Bossa Nova! And thanks for your interest.

sexta-feira, 26 de março de 2010

Entrevista : Michael Schacht (parte 1)

Fala galera, já tinha bastante tempo que eu não conseguia trazer uma entrevista aqui para o blog, então nada melhor do que trazer logo um autor premiado, com jogos super bacanas lançados e acima de tudo um cara super boa praça. Com vocês a primeira parte da entrevista com Michael Schacht.


Michael e seu Zooloretto vencedor do SdJ 2007.

EatJ?: Fale-nos um pouco de você, como começou a sua história com os board-games e quando você começou a se interessar em criar jogos?

EatJ?: Talk a little about yourself, how did your relation with board games started and when did you grown interest in designing games?


MS: Quando eu estava na escola eu jogava jogos de cartas no recreio e em casa jogava jogos como Risk ou The Great Adventure com meus amigos. Mas foram somente fases – eu tinha uma vasta gama de interesses. Quando estava estudando teve outra fase com jogos como Scotland Yard e RPG. Mas naquela época eu estava mais interessado em jogos de computador e especialmente em programá-los no meu Amiga Commodore. Isso me levou a um jogo de simulação chamado After the Flood. Devido a problemas com o software de desenvolvimento ele nunca foi oferecido a nenhuma empresa para publicá-lo (apenas como freeware). Eu decidi parar com programação, também devido ao grande dispêndio de tempo com isso. Eu experimentei então design de jogos de tabuleiro. Eu tinha duas idéias quando alguém me contou sobre um concurso para novos designers. Isso me pareceu interessante e eu participei com um dos meus dois jogos (Taxi). Ele não ganhou nada, mas os anfitriões do concurso gostaram do jogo e ofereceram para publicá-lo como jogo encartado em sua revista de jogos. Esse foi meu primeiro jogo publicado e me motivou a continuar. Nos anos seguintes eu passava o tempo freqüentemente com desenvolvimento e com a primeira caixa real lançada, eu finalmente fui fisgado pelo mundo dos jogos. E que agora eu realmente adoro.

Então resumindo: criação de jogos de tabuleiro foi mais uma coisa ao acaso do que algo planejado.


Valdora, um dos seus mais recentes jogos. Foto BGG.

MS: When i was in school i played card games in the recess or played at home games like Risk or The great adventure with my friends. But that was just phases - i had a wide range of interests. When stuying there was another phase with games like Scotland Yard and role playing. But at that time i was more interested in computer games and especially in programming them on my Commodore Amiga. That lead to a simulation game called After the flood. Due to development software troubles this was never offered to a publisher (just freeware). I decided to discontinue programming, also because of the enourmous use of time for that. I experimented next with boardgame designing. I had two ideas when someone told me about a contest for new designers. That sounded interesting for me and took part with one of the two games (Taxi). It didn’t win anything but the hosts of the contest liked the game and offered a release as game to tinker in their game magazine. That was my first boardgame release and motivated me to continue. In the following years I frequently spent time in developing and with the first real box released i finally got catched by the game world. That i now really love.

So, in summary: creating boardgames was more like random than like a plan.

EatJ?: Quem são os autores no qual você se inspira e quais os jogos que são referência para os seus trabalhos?

EatJ?: In which authors do you inspire yourself on and which games would you consider a reference for your work?


MS: Bem eu não me inspiro em designers específicos, são mais alguns aspectos dos trabalhos deles que me interessam e raramente designs específicos. Nós (designers) estamos geralmente procurando em áreas parecidas por conceitos e mecânicas únicas, e é interessante de ver a variedade de soluções encontradas. Além disso, há muitos jogos que me impressionam do ponto de vista do design. Por exemplo, Dominion tem um design muito elegante e muito bem pensado.

MS: Well i’m not inspired by specific designers, it is more the aspects of their work that interests me and rarely specific designs. We (the designers) are often searching in simular areas for unique concepts and mechanisms and it is interesting to see the variety of different solutions. Besides there are a lot of games that impresses me from the eye of a designer f. e. Dominion, a very elegant and well thought design.


Um dos seus "cartões de visita", o Coloretto. Foto BGG.

EatJ?: Você tem como característica jogos inteligentes voltados para um público que varia dos gamers até os mais light, isso é uma coisa pensada ou acontece?

EatJ?: In You have as a characteristic clever games targeted to an audience that goes from serious gamers up to lighter ones, is it thought that way or just happens?


MS: É meio que planejado – eu acredito nesse tipo de conceito. Quando eu comecei a criar jogos de tabuleiro dessa forma eu já tinha bons contatos com a empresa Alemã Abacusspiele que tinha perspectivas parecidas em criação de jogos de tabuleiro. Essa mentalidade semelhante foi a razão pelos quais vários lançamentos ao longo dos anos aconteceram com eles.

MS: It was a kind of plan - i believe(d) in this way of concept. When i started designing boardgames like that i already had good contacts to the german publisher Abacusspiele who had comparable prospects in boardgame designs. This quite simular mindset was the reason why several releases over the year took place with them.

EatJ?: A sua participação no BGG e no seu próprio site é bem ativa, como você encontra tempo de criar jogos, participar dos eventos, atualizar informações e etc?

EatJ?: Your participation on the BGG and on your own website is very active, how do you find time to design games, attend to events, update information and so on?



O site sempre atualizado e cheio de "goodies".

MS: Boa pergunta :) Antes de 2005 eu tinha um emprego principal em uma empresa de propaganda e criação de jogos de tabuleiro era uma espécie de hobby profissional. Quando eu me demiti e decidi apenas criar jogos, minha idéia não era criar jogos em maior quantidade. Eu queria gastar mais tempo em um design. E eu queria passar mais tempo em todas as coisas que eu particularmente gosto acerca dos jogos, os sites, a comunicação, etc. Então finalmente eu tenho a mesma agenda apertada assim como antes de 2005.

MS: Very good question :) Before 2005 i had a main job in an advertising company and game designing was kind of a professional hobby. When i quit and decided to just make game designs, my idea was not to make more games. i wanted to spend more time in a design. And i wanted to spend more time for all the things around the games i personally like, the websites the communication a. s. o. So, finally i have the same tough schedule like before 2005.

Promoção : E aí, qual é o número?

Poxa, achei que essa promoção ia "mobilizar o país" mas tive uma resposta bem abaixo do esperado. Mas não tem problema não, na próxima dou uma facilitada para ter mais gente interessada em brincar.

Não houve ninguém que acertasse os 25 números, então fica o sorteio do card-game + Bolsão de Craques e o vencedor foi........ Danilo Rodrigues.

Parabéns Danilo, vou entrar em contato direitinho com você para ver envio e aos outros participantes obrigado e espero que tenha sido divertida a brincadeira.

Taí o gabarito para galera ver.

segunda-feira, 22 de março de 2010

Sáb. 20 - Jogatina com os amigos


Rodrigo, Bouzada e Shamou brincando de panelinha.

Esse sábado marquei com a galera para estreiar o salão de festas do prédio. Juntei uma galerinha boa e passamos o dia praticamente todo jogando e comendo cachorro-quente.

Nas mesas rolaram de tudo um pouco, desde os jogos farra como o A La Carte e o Dice Town até os jogos um pouco mais pesados como o Vasco da Gama e o Power Struggle.


Mayapur, Victor, Warny e Fel jogando o "jogo do vice".

Os destaques ficaram para o reaparecimento do Bouzada, a presença de quase toda galera que eu chamei e claro os momentos de descontração que rolaram durante todo o dia.

A bagunça terminou quase meia-noite (depois de uma partida boa de El Grande) e mais pra frente vou marcar outra com certeza. Aos amigos que apareceram, valeu pela bagunça.

Mais fotos é só clicar aqui.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Rapidinhas de quarta-feira


Finalmente o divertido Factory Fun vai ser reeditado.

— A Days of Wonder acaba de anunciar mais uma expansão para o Memoir '44, ela chama-se Breakthrough e conta com 2 mapas frente/verso e 15 cenários usando esse mapa. O preço tá meio salgado mas para os viciados no jogo pode ser uma boa aquisição.

— A pedidos dos amigos do Calabouço fiz uma resenha do Goldbräu lá no blog deles. Pra quem quiser conhecer um pouco mais do joguinho vale a lida.


O primeiro das novidades programadas pela Warfrog.

— A Z-Man está programando o relançamento do divertidíssimo Factory Fun, e segundo o Board Game News a tiragem vai ser tão limitada quanto foi a da Cwali. Não percam a chance.

— Para terminar a Warfrog (empresa do Martin Wallace) anunciou seu plano de lançamentos até março de 2011 e são eles Gettysburg (Mar.2010), Age of Industry (ou Brass revised, Jun. 2010), London (Out. 2010) e finalmente A Few Acres of Snow (Mar. 2011). Desse só o Gettysburg já está em pré-ordem no site deles. É para ficar de olho.

segunda-feira, 15 de março de 2010

Torre das Peças edição de Fevereiro


Galerinha presente no Bob's da Tijuca.

Sábado aproveitei a tarde ensolarada carioca para dar um "oi" aos amigos da Torre. Chegando lá o Bob's estava com um público legal, mas abaixo de outras edições (tinham umas 30 assinaturas no livro), mas mesmo assim as mesas estavam animadíssimas.

Eu tive a oportunidade de conhecer um jogo novo e de re-jogar um mudando a minha opinião sobre ele.

O primeiro caso foi o En Garde, joguinho para duas pessoas criado pelo Knizia em que dois duelistas se enfrentam e conforme suas cartas vão andando em um caminho até um conseguir acertar o outro, quem fizer 5 acertos primeiro ganha. Bom jogo.


O (agora) divertido Felix.

O outro foi o Felix: The Cat in the Sack, esse eu joguei uma vez a muito tempo atrás e tinha achado muito ruim, mas as regras foram explicadas meio "nas coxas", dessa vez com as regras explicadas direito o joguinho ficou bem mais interessante. Joguinho de leilão, divertido, bom passatempo.

Com essas duas partidinhas encerrei minha visita a Torre, tomara que no mês que vem fique mais cheio, o evento é bem legal.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Promoção : E aí, qual é o número?

Fala galera, vamos a segunda promoção do blog para dar uma movimentada com a comunidade lúdica.

Dessa vez vamos testar os conhecimentos dos geeks de plantão. Eu selecionei números pertencentes a 25 jogos, uns conhecidos, outros obscuros. O que os amigos tem que fazer é mandar um mail com o nome dos jogos.


Taí os números a serem descobertos. Divirtam-se.

Os que acertarem os 25 estarão automaticamente concorrendo a um Sorry! Sliders e uma cópia do fantástico Bolsão de Craques (hehehehe). Mas não fiquem tristes se vocês acham que não conseguem acertar os 25, todos os participantes concorrem a um card-game Null & Nichtig mais um Bolsão de Craques.

O prazo para o envio da lista com os jogos é de hoje (dia 10) até o dia 25 e o critério para definir o vencedor será o sorteio pelo RANDOM.ORG.

Boa sorte a todos os amigos e divirtam-se procurando os jogos.

quarta-feira, 3 de março de 2010

Resenha : Heart of Africa

Sabe quando você compra um jogo por que ele tá barato, mesmo que você não saiba muito à respeito. Pois é, isso acontece muito pois compramos fora do país e para completar um pacote acabamos escolhendo um ou dois títulos pelo preço.



Bem, fica então a esperança do jogo ser no mínimo interessante. É aí que começamos a nossa história com o Heart of Africa. Tivemos a oportunidade de jogá-lo no último Castelo das Peças e que surpresa, um jogo bem interessante com uma mecânica de rodadas deiferente e bem cruel.

Ele é um jogo basicamente de leilão e pontos de ação, onde em cada rodada colocamos a disposição dos jogadores dois tiles que serão sorteados. Essa combinação de tiles dizem quantos pontos temos disponíveis para serem gastos e se teremos alguma ação especial a ser realizada.


A tabela de influência e valor dos produtos. Foto BGG.

O cruel é que apenas o jogador que ganhar o leilão joga naquele turno, enquanto os outros dividem os pontos gastos na compra dos tiles.

Gastos os pontos de ação o jogador marca seus pontos de vitória, novos tiles são apresentados e um novo turno começa. Quando chegamos a uma determinada quantidade o jogo acaba e é isso.


Excelente produção da Phalanx. Foto BGG.

O jogo apresenta outras coisas interessantes como conflitos (tanto entre jogadores como com os habitantes locais), áreas do mapa que pontuam mais e o coração da África que pontua mais que todos os outros.

Apesar das regras muito mal escritas, deixando margens para muitas dúvidas o jogo desenvolve bem e foi uma partida muito bacana. Ponto positivo para os garimpos de saldão.

terça-feira, 2 de março de 2010

segunda-feira, 1 de março de 2010

Em tempo... Crédito a quem merece...



A GROW e Bruno Faidutti entraram num acordo sobre os direitos autorais do Risco Total. Isso mostra que a distribuidora está, pelo menos, tentando se redimir do estigma de lançar jogos sem dar o devido crédito aos seus autores.

Fica aqui o registro, e quem quiser pode inclusive deixar um recado no site da GROW mostrando que o público está mais atento do que nos anos em que se lançavam jogos a torto e direito, mas onde os autores nunca eram conhecidos.