Publicidade:

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Castelo de fevereiro bombadão


Parte dos jogos disponíveis nessa edição do evento.

Hoje teve mais uma edição do Castelo das Peças e como de costume muita gente nova jogando muita coisa nas 3 salas que o SESC libera para o evento.

Alguns jogos já são "prediletas da casa" como BANG! e Dominion que tem mesas praticamente non-stop sempre cheias e com "de fora".


Heart of Africa, uma agradável surpresa.

Outros destaques foram as várias partidas de Small World e de Numeri, esse um joguinho bem divertido que eu tive oportunidade de conhecer.


Uma das muitas partidas de Small World.

Outra grata surpresa para mim foi o Heart of Africa. Esse é um dos jogos da Phalanx que tem uma cotação muito baixa no BGG, mas ele se mostrou um jogo bem bacana, com um sistema de rodada diferente e interessante, vai valer uma resenha detalhada depois.

Eu fechei a tarde jogando um Thunderstone, que é outro jogo que vou escrever mais sobre ele, pois estou gostando muito e ele está tomando o lugar do Dominion no meu TOP de jogos de carta.

Fotos tiradas do Covil do Zombie.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Fillers de quinta-feira


Produção caprichada do Recicle - Tempos de Crise.

Semana cheia de posts e de notícias interessantes, então ficam aí alguns destaques repidinhos para os amigos:

— Saiu essa semana o segundo jogo da Bico de Lacre (empresa do autor/amigo Luish Coelho). Chama-se Recicle - Tempos de Crise e segue a mesma linha temática do primeiro (o Recicle) e tem uma produção caprichada e tiragem limitada. Semana que vem resenha completa dele.


As miniaturas bacanas do Battles of Napoleon.

— A Fantasy Flight está com a corda toda em 2010, depois do lançamentos do Runewars outros 3 títulos prometem abalar quem curte jogos com muitas minis e mecânicas cheias de coisas interessantes, são eles : The Battles of Napoleon, Battles of Westeros e Horus Heresy é ficar de olho atento (e bolsos preparados).

— Sábado é dia de Castelo das Peças, como sempre teremos as mesas do povo do Warhammer, os play-testes da Riachuelo Games e muito jogo bacana para todos os gostos. Lembrando que a entrada é uma lata de leite ou R$5,00 (revertidos para doação).

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

GROW, Rumminkub e a campeã mundial

A GROW está começando a entrar cada vez mais em contato direto com os jogadores pelo país, e para isso, por meio do Thiago Piazza (do marketing) vem divulgando a brilhante participação da Andréa Papazissis no 7º World Rumminkub Championship.

Como o E aí, tem jogo? tem por princípio ajudar de todas as formas para que o nosso hobby esteja cada vez maior e melhor, sempre vamos apoiar essas inciativas (e estar sempre ligados para que outras aconteçam). Para vocês, o release do evento.


Área onde foi disputado o torneio em Marbella, Espanha.


Considerado um dos jogos mais jogados do mundo, o Rummikub é baseado em regras simples, porém inteligentes, que exigem estratégia, percepção e criatividade. Pode ser jogado por pessoas de todas as idades. É estimado que atualmente 180 milhões de pessoas joguem Rummikub em 52 países, nos 5 continentes. No Brasil, o Rummikub é distribuído pela Grow desde 2002.

A cada 3 anos acontece o WRC – World Rummikub Championship, um evento que reúne os melhores jogadores de Rummikub do Mundo. No final de semana dos dias 07 e 08 de novembro tivemos a realização do 7º WRC, na cidade de Marbella, na Espanha.

O 7º WRC contou com a presença de 32 países, entre eles o Brasil, representado por Andréa Papazissis, campeã do Circuito Brasileiro de Rummikub de 2009.


Participantes do torneio e Andréa hasteando a bandeira brasileira.

Para conseguir participar deste grande evento mundial, Andréa foi vencedora da grande final do Circuito Brasileiro de Rummikub e, com todas as despesas pagas pela Grow, viajou para a Espanha. Andréa fez bonito, se classificou para a final do WRC, onde enfrentou os representantes de Japão, Coréia do Sul e Hong Kong, e sagrou-se Campeã Mundial de Rummikub, em plena Arena de Touros.


As edições anteriores foram vencidas pela Holanda (3 vezes), Japão (2 vezes) e Egito (1 vez).

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Prêmio JoTa 2009



Começaram as votações para o II Prêmio JoTa, que é a premiação realizada pelo público brasileiro que curte jogos de tabuleiro em geral.

Este humilde blog (que ganhou o prêmio de 2008) está concorrendo mais uma vez, mas esse ano o páreo é duríssimo, já que a categoria engloba todas as mídias digitais, então se concorrer com a galera da Loodo e com o Vince da Game Analyticz já era dureza, imagina contra BGG, Boardgame News e BSW.

Mas a votação é aberta e espero que meus fãs (hehehehe) me dêem uma forcinha. As votações estão sendo feitas pela Ilha do Tabuleiro, pelo forum BG-BR e por e-mail.

E a lista com todos os indicados vocês podem encontrar no blog do evento.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Torre das Peças


Galerinha boa na Torre mesmo com o carnaval chegando ao fim.

Sábado agora rolou a Torre das Peças edição de fevereiro. Apesar de ser um sábado logo depois do carnaval, mesmo assim o quorum estava bom.

Como sempre alguns jogos são figurinha fácil do evento, como o Dominion. Mas dessa vez algumas novidades também disputavam espaço, tipo a expansão do Agricola e o World Without End.


O tabuleiro do divertido Quo Vadis?.

Foi prometido um campeonato de Carcassonne: The Castle, mas acabou não rolando, embora o jogo tenha visto mesa algumas vezes.

De minha parte consegui jogar duas paradinhas, o primeiro foi o Quo Vadis? do Knizia, que é um joguinho de negociação bem legal, e que deve ficar muito mais interessante com mesa cheia (jogamos em 3). E o outro foi uma partidinha de Diabolo, joguinho de carta passa-tempo despretencioso.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Ninguém é perfeito

Sabe quando você curte o trabalho de alguém de forma especial (tipo uma banda, um escritor ou um autor de jogos) e todos os lançamentos dessa pessoa são cercados sempre de grande expectativa e aí, bem...

É fácil apontar quais as obras primas dos autores de jogos, mas e suas bombas? E o que é uma bomba para você, será que é uma bomba para todos? Vou dar uma geral nos autores que eu mais gosto e os piores jogos deles na minha opinião.


Candamir e sua carinha de adventure meia-boca. Foto BGG.

Começo logo pelo meu autor preferido, o Klaus Teuber. O cara tem jogos fantásticos, mas errou a mão feio no Candamir. Joguinho de aventura com visual de "computer-adventure" dos anos 80. É até agora a minha única decepção entre seus jogos. Fique longe.

Ao contrário do Klaus, que não tem uma produção tão grande de jogos, o Martin Wallace está sempre lançando coisas no mercado, e era de se esperar que algumas delas não atendessem as expectativas (como o Périkles e o Toledo, que são bons jogos, mas pecam em alguns detalhes).


"Ó não, vão roubar minhas vacas!" Foto BGG.

Mas foi com o Way Out West que ele entrou na lista de bombas. No jogo vamos investindo em prédios, gado e tentando fugir dos saqueadores inimigos. Um tema até interessante, mas o jogo é chatinho que doi, e a arte da Warfrog não colabora em nada para melhorar.

Mas até agora acho que os amigos concordam mais do que discordam, mas dois autores fantásticos tem na sua vasta coleção de jogos alguns títulos que para mim são supervalorizados.

O primeiro é o Kramer e o seu Princes of Florence. Top 20 do BoardGameGeek o jogo é arrastado e chatinho que doi. Acho que o grande problema dele é a completa falta de interação (embora seja um jogo de leilão), o que torna ele uma experiência muito caída.


O bonito, mas chato Princes. Foto BGG.

Já o meu outro exemplo vem do Knizia e chama-se Tigris & Euphrates. Esse eu tentei jogar algumas vezes (acho que cheguei a jogar umas 4 partidas), por que todos falam que quanto mais você joga mais apaixonado pelo jogo fica.

Mas é tudo tão confuso (tanto na mecânica quanto visualmente) que eu não consigo dar mais chances para ele e agora ele é fácil um dos meus Worst 10.


O Tigris que fica bonzão na sua 200ª partida. Foto BGG.

É claro que ambos tem jogos bem piores, Buy Low/Sell High do Knizia e o Australia do Kramer são bons exemplos de jogos bem fracos, mas nenhum deles tem o apelo dos citados acima.

Tudo isso também é uma questão de gosto, como bem diz o filósofo "gosto é que nem c.., cada um tem o seu" (heheheheh)

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Sábadão lúdico de Carnaval

Sábado começou oficialmente o Carnaval aqui no Rio (isso oficialmente, pois já tem blocos nas ruas a pelo menos uma semana), e como "excelentes" foliões que somos, marcamos uma jogatina família para juntar a galera, jogar conversa fora e é claro experimentar uns joguinhos novos.

A casa da vez foi a do amigo Flávio Jandorno e a galera que compareceu foi muito animada, vieram o Léo Rossi, Alê e Giovanna, o Rogério com a Vani, o Shamou, o Caldas com o Melgaço e até Dna. Ana foi com o pequeno.

Rolou um almoço caprichado, as meninas com as crianças acabaram indo para a piscina e os marmanjos ficaram na joga.


Disposição das cartas no Thunderstone, lembra algum outro? Foto BGG.

Começamos jogando um Thunderstone que eu estava muito na pilha de conhecer. Trata-se de um jogo com o conceito de deck-building só que com um tema muito melhor atachado a mecânica. Nele temos dispostas na mesa cartas que representam a vila (onde compramos itens e contratamos heróis) e as cartas de dungeon (que são onde ficam os monstros que são os pontos de vitória do jogo).

No início da nossa rodada definimos para onde vamos, se vamos para vila não rola porrada e se vamos pra porrada não podemos comprar nada na vila. O jogo desenvolve bem, tudo realmente funciona como em um bom RPG (o herói tem que ter força suficiente para carregar determinada arma e só entra até determinado ponto do dungeon se não tiver boa iluminação). Enfim, muito foda o jogo, entrou para a minha lista de compras.


O cowboy corredor e um "preso" no Pony Express. Foto BGG.

Mais tarde jogamos um Pony Express. Joguinho de corrida no velho-oeste usando dados de póker como "combustível" para os nossos cowboys.

Joguinho com muito blefe, muito caos (marca registrada do Faidutti), muita cubreagem e muita rolagem de dados e arremesso de dados também (são as formas de resolução dos duelos, hilário). Vale uma partida ou outra de vez em quando com certeza.

E por último uma partidinha de Tobago. Como muito bem definiu o Flávio : "Um jogo de dedução, sem dedução".


O bonito tabuleiro do Tobago. Foto BGG.

Nele somos exploradores que usam cartas de pistas para descobrir onde os tesouros estão enterrados pela ilha, quando eles são escavados os jogadores que participaram das pistas recebem seu quinhão em grana, no final quem tem mais grana ganha. Bem bacana.

E foi isso, queria ter ficado mais, mas o Arthur começou com uma febre esquisita e fomos para casa ficar tomando conta dele.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Notinhas e wallpaper

Vamos começar a semana com umas notícias fresquinhas e com o wallpaper que já estava atrasado.

— A revista Spielbox depois de anos vai finalmente ser editada também em inglês. Essa é uma excelente notícia para os apreciadores do hobby, pois nessa revista costuma vir sempre encartado alguma mini-expansão (como já tiveram para o Catan, Stone Age, St. Petersburg entre outros). Quem ficou empolgado eles estão já fazendo as assinaturas.


O mais novo membro da família Dominion.

— A LUDUS chegou ao incrível número de 600 jogos na sua ludoteca, o que é realmente um feito para um país que para você ter acesso aos jogos tem que correr muito atrás deles. Parabéns a Lucy e aos amigos da LUDUS Luderia. Se você é de Sampa e ainda não foi lá, não deixe de ir que vale muito a pena.

— Estão sendo anunciadas duas expansões para o Dominion. A primeira é apenas uma cartinha promo chamada Stash que deve ser distribuída pelo BGG(a exemplo do Black Market e Envoy) e a outra parece ser mais interessante, chama-se Alchemy e promete umas diferenças nas regras e tudo mais. Para quem apostava num Dominion virando Magic, taí a confirmação, hehehehehe.



— O wallpaper desse mês é uma homenagem a um dos jogos que mais viram mesa na época em que quase ninguém jogava e muito menos conhecia jogos importados, e até hoje quando jogamos uma partidinha de RISK 2210 ainda é garantia de diversão.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Primeiro Castelo lotadão


A casa estava lotada nessa edição do evento.

Sábado rolou a edição de janeiro do Castelo das Peças, e quase que as três salas do SESC não deram conta da galera que apareceu. Foram quase 100 pessoas durante todo o dia do evento.

Nas mesas rolou muita coisa bacana : Shipyard, muitas partidas de Dixit (a sensação das mesas cariocas), A La Carte, Abandon Ship, Crokinole, Vasco da Gama (uuuuuuh), um mesão de Axis & Allies miniatures entre outros.


Galera no A La Carte sob os olhos atentos do Arthur.

Como sempre muitos novatos e o que tem tornado o evento bem bacana, muita mulecada aprendendo os jogos e teve também a presença relâmpago especial do amigo Bira (JoTa) que estava passando uns dias com a família aqui no Rio e fez questão de passar por lá para conhecer os amigos cariocas.

Eu fui com a patroa e meu muleque que ficou encantado com o A La Carte (ele ficou brincando quase todo o tempo do Castelo com as pecinhas), e mesmo tendo que dar uma atenção ainda deu para jogar umas partidinhas.


Burp! um jogo interessante, mal resolvido.

A mais interessante foi a de um jogo levado pelo Léo Rossi chamado Burp! O jogo é de 95 e tem um idéia interessante, você é um homem das cavernas e para se sustentar tem que pescar umas frutas (é, você leu direito) criando umas plataformas com madeiras e pedras (de verdade). Mas infelizmente a idéia é mal explorada, pois o jogo se torna chatão quando você não consegue pescar as paradas (por conta de não conseguir o material para fazer as pranchas maiores e mais bem sustentadas). Uma pena pois o jogo podia ser bem legal.

No mais valeu como sempre para rever os amigos e fazer uma social com a galera, tomara que fevereiro seja também um bom mês para os jogos, como foi janeiro.