sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Session Report : Jan. 29 - Calabouço das Peças

Ontem finalmente foi o dia de estrearmos o Android. Bem, quer dizer...

Arthur e Bouzada começaram a montar o setup do jogo umas sete horas, meia-hora depois chegamos eu e o Cadu para começar as explicações. No jogo somos detetives num cenário estilo "cyberpunk" tentando incriminar um dos suspeitos em um crime, mas nossos detetives tem qualidades (que os próprios jogadores usam a seu favor) e defeitos (que são explorados pelos adversários).


Muita pecinha e pouco jogo no Android. Foto BGG.

É uma premissa interessante, mas o jogo é chato pra caramba. Depois de duas horas de explicação das regras (muitos detalhes) começamos uma partida com 3 detetives (nas primeiras duas horas chegou uma galera nova e o Arthur foi fazer as honras da casa).

A parada do jogo é que ele tem muito de "storytelling" e nisso as cartas são ricamente cheias de textos interessantes sobre os detetives e que se forem lidas (e os jogadores entrarem no clima) devam transformar uma partida de anda/pega coisa/joga carta em algo muito mais interessante. Mas como estávamos mais interessados no funcionamento do jogo, não durou 4 rounds (dos 12 programados).


Cartas novas e objetivos no Race. Foto BGG.

Mais 20 minutos guardando as pecinhas e pegamos uma coisa levinha já que o Cadu ia embora cedo. Ele, eu, Camilo e Bouzada puxamos um Race for the Galaxy com a The Gathering Storm para conhecermos.

Além das cartas novas jogamos com uns objetivos que você vai conquistando e te dão pontos no final, alguns são fixos (de 3 pontos) e outros vão passando pelos jogadores (os de 6 pontos). Eu tenho poucas partidas de Race então fiz mais figuração do que qualquer outra coisa, a disputa ficou mesmo entre o Bouzada e o Cadu, e a vitória foi apertada, Bouzada ganhou por um ponto de diferença do Cadu, seguido pelo Camilo um ponto na minha frente.


Fábricas de ferro fizeram a festa no Brass. Foto BGG.

Depois geral já tinha ido embora, ficamos eu, Bouzada, Camilo e Arthur e para fechar a noite um Brass. Partida diferente onde o Bouzada puxou uma estratégia de fábricas de ferro na primeira fase com o Camilo e o Arthur seguindo a tendência, eu fiquei numa postura mais conservadora entregando algodão.

No final a estratégia deles funcionou, acabou o Bouzada chegando em primeiro, com Arthur em segundo, Camilo em terceiro e eu entregando algodão em último.

6 comentários:

Fabio Tola disse...

afe.. q catástrofe do android. e é um dos meus topos de wish list recentes pelos reviews animados....

bão, se o arthur quiser se desfazer dele, pede pra me dar um toque
:)>

Cacá disse...

Grande Tola.... Pois é, eu e o Fel compramos ele na animação também, mas tipo, se tu curte o Arkham Horror e jogos nessa linha (que puxam mais para o RPG do que para o BG) acho que pode ser uma boa opção...

Ele tem uns mecanismos interessantes e tals, mas tem que estar muito no clima do jogo, não rolou...

Talvez valha dar uma outra chance para ele, mas tem que ser um "evento Android" pra ver se vai funcionar...

Abração...

Formiga disse...

Que dizer que vocês acharam o Android chato... eu vi aquelas entrevistas falando do jogo... parecia promissor... mas realmente o setup dele deve ser chato... isso deu para perceber...
abs.

Cacá disse...

Cara... é uma série de coisas, setup chato pra cacete, regras cheias de detalhes e a completa falta de "pilha" pra entrar no clima...

Mas vamos ver... hehehehehe...

Abraços.

Edu disse...

Fala Cacá, essa expansão do Race é legal, deixa o jogo melhor?

abs

Cacá disse...

Fala Edu... Eu achei a idéia dos objetivos muito interessante, pois cria mais uma forma de correr atrás dos pontos (além das combos com os prédios de 6 pontos)...

As cartas novas, confesso que eu não sou tão expert para reconhecer todas de primeira, mas as que eu ví diferentes pareceram bacanas também...

Abraços..