Publicidade:

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Istanbul


Recebi o Istanbul da Grow na semana passada e finalmente consegui estrear, mas antes vou dar uma pincelada no que achei da qualidade dos componentes, caixa e afins.

Com a mudança do parque gráfico da Grow que era em São Paulo para Manaus, acho que eles ainda estão em um processo de ajustes, então apesar das peças estarem muito boas, alguns detalhes foram meio flagrantes.

Nos punch-boards o corte não ficou 100%, precisa ter um cuidado redobrado pra soltar as pecinhas sem rasgar em algum ponto, e nota-se uma diferença de cor dos tiles, mas isso é indiferente para a jogabilidade.

Os componentes estão bacanas, mas poderiam estar melhores.

Tirando esses detalhes, caixa, pecinhas de madeira e cartas estão no nível de qualidade do Puerto Rico ou do Catan.

Quanto ao jogo, em Istanbul somos mercadores comprando e vendendo bens para adquirirmos grana para comprarmos os preciosos rubis, aquele mercador que conseguir juntar cinco primeiro é o grande vencedor.

O "tabuleiro" é formado por 16 tiles arrumados em uma matriz de 4x4, e a movimentação é a grande sacada do jogo.

O "tabuleiro" com seus tiles e as ações indicadas.

Você dispõe de um mercador e quatro ajudantes, anda com uma pilha de formada por essa galera até duas casas e ao parar em um dos tiles, deixa o ajudante mais abaixo dessa pilha para resolver a ação do tile, caso já tenha algum ajudante você pode recolher ele de volta pra pilha.

Cada tile tem uma função especial, comprar/vender produtos, atender demandas, tirar um familiar do posto policial, aumentar o seu carrinho de produtos e a venda dos tão cobiçados rubis.

A área individual de cada jogador.

Istanbul, remete muito a dois jogos clássicos do Rüdiger Dorn, o Traders of Genoa (pela movimentação) e o Louis XIV (pela disposição do "tabuleiro"), mas tem uma identidade própria.

Enfim, apesar da partida ter sido quebrada por um combinho que a disposição de tiles básico proporciona, eu curti o jogo e quero jogar mais vezes (dessa vez com tiles dispostos de forma aleatória).

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Histórias do Baralho

Homenagear os milhares de fãs brasileiros, contando histórias reais e emotivas sobre a relação afetiva dessas pessoas com as cartas do baralho.  Este é o principal objetivo do Dia do Baralho 2016, que montará um acervo de vídeos e fotos, disponíveis no site oficial do Dia do Baralho, além de uma websérie contando a história de várias pessoas de diferentes regiões, origens e culturas que viveram momentos inesquecíveis com o clássico baralho “139”.

Criada pela Copag - pioneira na produção e distribuição de cartas e card games no Brasil –, o Dia do Baralho acontece desde 2013. A empresa conta com a Mkt Virtual para a criação de suas campanhas e, neste ano para a websérie, uma equipe de produtores percorrerão mais de 3,2 mil kms entre Santos e Recife.

O Caminhão da Copag que rodou o país.

Comemorado todo dia 13/9, o Dia do Baralho foi criado em homenagem ao “139”, que é o baralho mais conhecido e comercializado a quase 100 anos em todo o mundo. Ele está disponível em variações que agradam desde o jogador casual até o mais ávido e competitivo player.

“Muitas pessoas têm uma conexão afetiva com as cartas, que envolvem lembranças de momentos únicos em família e com amigos. Jogos como truco, buraco, pôquer, comuns no cenário universitário, permeiam esse universo de memórias afetivas. Hoje, o baralho vai além de um jogo, ele proporciona momentos únicos de diversão e reunião com amigos e familiares. Por isto, celebrar a data com uma campanha que conte estas histórias, mostra o quanto o baralho 139 está presente na vida e na memória dos brasileiros”, explica Mariana Dall’Acqua, diretora de Marketing da Copag. 

Diversão que atravessa gerações, a Copag
comemora mais um Dia do Baralho.

Dezessete cidades, mais de 50 histórias.

Até o dia 13/9, o Copag Bus – um ônibus estilizado - transportará uma equipe com aproximadamente 13 pessoas, responsável por vasculhar mercados, praças e comunidades entre Santos e Recife, passando por 17 cidades da costa brasileira, onde haja um fato interessante de relacionamento com o baralho.

“Nossa expectativa é coletar mais de 52 histórias, que serão contadas em websérie e fotos que retratarão estes momentos afetivos dos brasileiros com as cartas do baralho e estarão disponíveis no site oficial da campanha”, ressalta Mariana.

“Para avaliar o potencial da ideia, montamos um observatório em alguns mercados como o de Madureira (RJ). E foi impressionante a quantidade de histórias emocionantes e humoradas que pudemos encontrar em poucas horas. Por isso, acreditamos que o material coletado será muito rico”, conta Ludmilla Rossi, diretora da Mkt Virtual.

Histórias de superação como a do carioca Bruno.
Acesse o site para saber mais.

A Copag também promoverá uma promoção durante os dias 8 e 9 de setembro, e 12 e 13 do mesmo mês, que acontecerá em 17 atacadistas parceiros onde todos os clientes que comprarem três dúzias do baralho 139, ganharão meia dúzia de 139 classic.

Acesse o site oficial do Dia do Baralho 2016 e acompanhe todos os episódios da websérie todas as terças e quintas-feiras.

Essa foi uma pauta sugerida pelos amigos da Copag em comemoração ao Dia do Baralho.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

At the Gates of Loyang


Prestes a ganhar um reprint pela Pegasus Spiele depois de estar fora de catálogo por anos, At the Gates of Loyang é uma das jóias do Uwe Rosenberg e por algum motivo obscuro (vai entender) eu nunca tinha escrito uma resenha sobre ele.

Em At the Gates of Loyang somos produtores de alimentos que após uma colheita bacana, tem que escoar sua produção no movimentado mercado de Loyang na China.

Acima da trilha de pontos, as nossas plantações. Foto BGG.

O jogo é dividido em 9 turnos compostos por 3 fases bem distintas. Na primeira fase colhemos um produto de cada um dos nossos campos e colocamos disponíveis para a fase, logo depois tem uma fase onde há um draft muito interessante de cartas onde estão os clientes, novos campos e cartas especiais, e finalmente a fase de ação onde atendemos os clientes, compramos outros produtos para plantarmos entre outras coisas.

At the Gates of Loyang é um jogo bem pesado, e de "cobertor curto", quer dizer, você quer fazer muito mais coisas do que realmente vai conseguir realizar.

De um lado, as tendas e do outro, os clientes
(e já tem gente aborrecida). Foto BGG.

Atender os clientes (regulares ou ocasionais) é primordial, mas nem sempre você tem os produtos disponíveis o tempo todo, então para isso você vai precisar dar suas cambalhotas (ir até as tendas, usar cartas de ação), mas se você não conseguir atender os clientes regulares, esses acabam se irritando e você acaba por perdê-los antes de ganhar os pontos deles.

Enfim, é um jogo muito cabeçudo onde no final o ganhador vai ter no máximo 20 pontos depois dos 9 turnos (dificilmente você vai conseguir fazer mais de 3 pontos no mesmo turno).

At the Gates of Loyang é (na minha opinião) TOP3 do Uwe, perdendo somente pra Agricola e Caverna, e se vocês tiverem a oportunidade de jogá-lo, não percam, pois é daquelas experiências que depois da partida explodem sua cabeça.

Uma visão geral de como fica a mesa de cada jogador.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Sonhando com Alice


Quarto jogo a ser lançado pela Histeria Games no mercado, Sonhando com Alice teve uma recepção muito mais fria do que seus três outros irmãos no início do financiamento coletivo, mas por que?

O jogo é uma "salada de pontos" muito bem amarradinha : são 6 áreas no tabuleiro, cada uma fazendo uma ação diferente e possibilitando a pontuar de forma diferente.

Na rodada, todos os jogadores rolam 6 dados e alocam nas áreas indicadas nas faces dos dados, à partir daí, na ordem da rodada, o jogador da vez escolhe uma das áreas e pega todos os dados que estiverem lá (até o limite de 6 da sua área de jogo) e faz a ação.

Visão geral do lindo tabuleiro e suas várias ações disponíveis.

Cada ação ajuda de uma determinada forma : andar na trilha da Coelho, na trilha da Lagarta, pontuar nos desafios da Alice, colocar soldados da Rainha, acionar as cartinhas do Gato ou do Chapeleiro.

O turno se desenvolve até que todos os jogadores tenho usado todos os 6 espaços a sua área de jogo, e assim que isso acontece um novo turno se inicia quando todos os dados são novamente rolados.

Sonhando com Alice pode terminar de algumas formas : quando o primeiro jogador fechar a trilha da Lagarta ou do Coelho, quando o primeiro jogador finalizar 5 desafios da Alice ou quando um jogador colocar seus 10 soldados da Rainha em jogo.

A ficha de cada jogador, seu objetivo secreto e o
desafio da Alice a ser cumprido.

Quando uma dessas condições é alcançada o turno termina e somam-se os pontos de vitória ganhos das diversas formas que o jogo oferece, e quem tiver mais ganha.

Por conta da arte fofa (com ilustrações lindas do Arthur Mask), os jogadores podem ter tido a impressão de que este seria um jogo mais bobinho, mas na verdade o Sonhando com Alice é uma experiência bem bacana num jogo leve mas que foge bastante do estigma de jogo infantil.

E para quem ainda está com receio por conta dos manuais anteriores da Histeria, o manual do Sonhando com Alice já está disponível na página do financiamento e está bem claro, com regras bem explicadas e exemplificadas.

O autor Daniel Alves no estande do Diversão Offline.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Diversão Offline 2016


Estandes e salões cheios, esse foi o Diversão Offline 2016.

No último domingo aconteceu a segunda edição do Diversão Offline, evento que reuniu no Centro de Convenções SulAmérica (RJ) quase todas as maiores editoras nacionais, protótipos do que vai aparecer no mercado em breve e apesar da chuva e dos eventos da Olimpíada, teve um público melhor que 2015. 

A ESTRUTURA

Esse ano a organização caprichou, no primeiro andar do evento estavam a nata das editoras nacionais, podia se encontrar Red Box, Pensamento Coletivo, Galápagos Jogos, Conclave, Retro Punk, FunBox, New Order, Tabuleiro MIX (que agregou uma galera no seu estande com a Meeple BR, Histeria Games, Ace Studios e BEST Games) entre outras, trazendo novidades, testando próximos lançamentos e deixando o público muito à vontade com monitores super atenciosos e uma galera de apoio formada só por figurinhas conhecidas do cenário.

Conclave lançando o Rock'n'Roll Manager na feira.

E o segundo andar? Bem, esse foi um ponto que ficou pior esse ano. A sala de protótipos, as mesas de RPG's e alguns estandes de lojistas (além da área de palestras) ficou no segundo andar e sem uma indicação mais contundente, algumas pessoas acabaram nem sabendo da existência.

Apesar desse problema de sinalização, a galera que foi até lá foi brindada com uma sala lotada de protótipos bacanas, lojas com descontos incríveis, e um painel sobre quadrinhos no Brasil bem legal.

Mysterium, um das próximas novidades da Galápagos vendo mesa no evento. 

NOVIDADES E LANÇAMENTOS

Para quem foi ao evento procurando coisas novas, não faltaram motivos para saírem satisfeitos. Na Conclave as primeiras edições do Rock'n'Roll Manager esgotaram em menos de uma hora, na FunBox tivemos mesas e mais mesas do Matryoshka, do Good Cop, Bad Cop e do Sugar Gliders, na Tabuleiro MIX o povo pode testar o Die die DIE! e o Sonhando com Alice além dos jogos da Meeple BR, na Red Box tínhamos Raid & Trade e jogos que ainda vão aparecer com o Micrópolis e o Boss Monster e na Pensamento Coletivo mesas de Imperial 2030.

Obviamente estou esquecendo de alguma coisa, até porque era realmente MUITA coisa rolando simultaneamente e não deu pra anotar tudo o que estava rolando mesmo tendo ficado praticamente durante todo o tempo do evento.

As salas de palestras sempre com a galera prestigiando.

PROTÓTIPOS E PALESTRAS

Falando mais um pouco do segundo andar, a sala de protótipos, apesar de mais escondida, mesmo assim estava bastante movimentada.

Além do pessoal da Mansão das Peças que ficou revezando seus jogos, tinha a galera do Engage, do SOS Animais, da Jamaf Games com o Runners e o Cube Wars, o Street of Fights entre outras mesas.

Não poderiam faltar os protótipos em um evento tão bacana.

Outro destaque do Diversão Offline foram as palestras, tivemos gente falando de mercado, coletivo de jogos e até atração internacional, o John Wick, autor Norte Americano de jogos como Blood Honor, Shotgun Diaries, Legend of the Five Rings e 7th Sea.

CONCLUSÃO

O Diversão Offline está aí se firmando como um dos maiores eventos de jogos de tabuleiro do país, e a promessa é que em 2017 ele além de melhorar alguns detalhes ele ainda passe a ter dois dias, o que vai ser muito legal para o povo que vem de fora do Rio.

Ainda falta um pouco (como a presença da gigante Grow), mas posso afirmar que o caminho está pavimentado e em poucos anos o Diversão Offline será o nosso equivalente a eventos tipo GenCON.

Quem foi pode jogar partidas do Legends of Five Rings com o próprio John Wick.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Flip City


Primeiro lançamento da Paper Games no Brasil, Flip City é um jogo de cartas que usa como mecânica básica "deck building" mas com um twist bem interessante, o fato das cartas serem usadas dos dois lados.

Eu consegui finalmente jogar a versão solo do jogo (que comporta até 4 jogadores) e me surpreendi positivamente com o jogo.

Na sua vez, você vai abrindo as cartas do seu deck até que esteja satisfeito com a quantidade de grana disponível (e parte para as ações), ou até que tenham três carinhas insatisfeitas na mesa (e você perde sua rodada).

Durante a partida vamos abrindo as cartinhas dos prédios.

Basicamente você tem quatro tipos de cartas à serem compradas (Loja de Conveniência, Hospital, Fábrica e Parque) e que você vai adicionando ao seu deck para te dar mais grana o/ou pontos.

Aí é que tem o grande barato do jogo, todas as cartas tem funções na frente e no verso delas, então uma Área Residencial se transforma em Apartamento para evitar que as carinhas insatisfeitas venham imediatamente para a sua mesa, o Hospital vira uma Igreja aumentando sua tolerância a carinhas insatisfeitas, e por aí vai.

O jogo vai até que alguma das condições de final de jogo seja alcançada (na partida solo além das de vitória você perde se as cartas à serem compradas acabarem).

Partida ganha com apenas 3 cartas sobrando para compra.

Mas nem tudo são flores no Flip City, por ser um jogo de deck building precisamos ficar embaralhando o deck o tempo todo e por termos texto nos dois lados da carta o manual aconselha que esse processo seja feito "debaixo da mesa", "olhando para o horizonte", enfim, de alguma forma que não haja uma espiada, o que é bastante inconveniente. Mas na boa, não foi nada desesperador na partida solo (enquanto eu estava vendo as Olimpíadas na TV).

No final achei o Flip City um jogo bem interessante, com uma ideia inovadora e que mesmo que não vá agradar a todos, vale a pena ser jogado para que se tire um conclusão a respeito.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Arcadia Quest


Arcadia Quest é um jogo, que tem três autores brazucas na sua criação (Thiago Aranha, Guilherme Goulart e Fred Perret) onde guildas lutam através de cenários para cumprir missões e no final de uma campanha de 6 partidas, derrotarem o temível Lorde Presas e livrar Arcadia desse mal. Depois de situar vocês, vamos falar agora um pouco de como o jogo funciona.

Ele é um jogo com mapas modulares, divididos em cenários, e em cada cenário os jogadores precisam lutar uns contra os outros e contra os monstros indicados para cumprir as missões e assim irem melhorando seus heróis para partidas futuras.

Área de cada guilda e o mapão ao fundo cheio de miniaturas.

As regras são super simples, na sua rodada você pode ativar um dos seus três heróis ou descansar sua guilda.

Ao ativar um herói você pode se mover com ele pelo tabuleiro e atacar, a opção de descansar sua guilda faz com que heróis mortos voltem ao jogo, você possa redistribuir os itens e também dar um "refresh" nas cartas que você usou.

Eu joguei um cenário super simples (o Distrito dos Martelos) só para conhecer o jogo, mas a partida foi bastante gostosa e o jogo atende ao que se propõe, ele diverte, tem sua dose de decisões, mas é totalmente acessível para aqueles jogadores que tem crianças (à partir dos 8/9 anos) e queiram um jogo que eles possam participar sem maiores problemas.

Produção lindona da Cool Mini or Not que a Galápagos trouxe para o Brasil.

O grupo em que joguei também curtiu a experiência e vamos começar uma campanha completa, pois acredito que a experiência de ir melhorando sua guilda e ir acompanhando os inimigos irem ficar mais fortes deva fazer com que o Arcadia Quest se torne ainda mais interessante.

Esse e mais um monte de jogos você pode alugar sem sair de casa com os amigos da Ludoteca BGC, conheçam os planos de assinatura e divirtam-se!